audiovisual

Longa-metragem em pré-produção

Longa-metragem em pré-produção

Núcleo Zero fará seu primeiro longa-metragem
O projeto de filme híbrido vai transitar entre as linhagens da ficção e do documentário para construir um retrato dos chamados Cavalos, médiuns que incorporam em religiões de matrizes africanas. O filme está em pré-produção e tem previsão de ficar pronto início de 2019.

“O transe é um fenômeno muito real. Ele consiste sobretudo numa
descida do indivíduo para o seu centro. O transe característico do
xangô é uma queda do indivíduo dentro de sua própria identidade.
Ele vai estar tão dominado por aquele aspecto básico da personalidade que já não
pode se comunicar mais em palavras, em conceitos, então ele cai num êxtase.
Esse tipo transe é o transe fundamental”.

Roberto Mota – Antropólogo

Responsável por produções que receberam destaque nacional como Imagem Penisular de Lêdo Ivo (2003), História Brasileira da Infâmia – Parte 1 (2005), Exu – além do Bem e do Mal (2012), O que Lembro, Tenho (2012) e Dialetos (2014), o Núcleo fará o primeiro longa-metragem de uma trajetória que já soma mais de 30 prêmios e participações em cerca de 50 festivais no Brasil e no mundo. Cavalo será o décimo filme assinado pela produtora.

Conheça as produções audiovisuais da Núcleo Zero.

SOBRE OS DIRETORES
Werner Salles Bagetti é jornalista, documentarista, roteirista e designer gráfico. Escreveu e dirigiu dois documentários vencedores do programa DocTV: Imagem Peninsular de Lêdo Ivo (2003), História Brasileira da Infâmia – Parte 1 (2005), além dos médias-metragens e Interiores ou 400 Anos de Solidão (2012, projeto contemplado no prêmio Petrobras Cultural), e EXU – Além do Bem e do Mal. É vencedor do Troféu Candango no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro pelo roteiro do documentário Tudo Isto me Parece um Sonho, dirigido por Geraldo Sarno. Também produz conteúdo audiovisual para Museus e espaços expositivos, televisão e cinema.

Rafhael Barbosa é graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Alagoas. Atuou como repórter, curador de mostras, produtor cultural e redator publicitário. Realizou os filmes Chimarrão, Rapadura e Outras Histórias (2007); KM 58 (2011), vencedor do prêmio de melhor filme na II Mostra Sururu de Cinema Alagoano e selecionado para o Cine PE 2012; e O que Lembro, Tenho (2013), curta selecionado para cerca de 30 festivais brasileiros e internacionais, e vencedor de 20 prêmios. Em 2014 lançou o documentário Tempo de Cinema. Além dos trabalhos autorais, atuou como produtor em mais de dez curtas e médias-metragens. Atualmente finaliza o documentário Jangada de Pau, projeto de salvaguarda realizado pelo IPHAN.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas